Jovens iniciam a vida sexual aos 15 anos, porém, há controvérsias.

sexo na adolescência

sexo na adolescência deixou de ser um tema tratado como “tabu” – uma espécie de assuntos que são proibidos ou censurados – e voltou a ser foco de muitas palestras e bate papos com os pais, responsáveis e com os próprios adolescentes, que se tornam o ponto chave para abordar o assunto.

Nos dias atuais, as maiorias dos adolescentes começam a conhecer mais os seus corpos aos 15 anos e, assim, cerca de 70% desses jovens já iniciam sua vida sexual nessa faixa etária – alguns até mesmo antes. Os outros 30% esperam um tempo até iniciarem. De fato, sua vida sexual. Inclusive, em entrevista à Revista ISTOÉ, a socióloga Mriam Abramovay afirmou que há CRIANÇAS que dão o “start” aos 13 anos.

Justamente por tais informações que o sexo na adolescência deve ser tratado com seriedade, pois não são todos que possuem a consciência de que as relações sexuais podem trazer consequências, principalmente se não fizerem uso do preservativo.

Desde sempre há aquele “medo” dos jovens sobre conversar com os pais sobre sexo e o ponto principal dessa vergonha é por se tratar de um assunto que não é sempre abordado nas famílias, inclusive, muitos responsáveis pelos adolescentes só começam a conversar sobre relações sexuais a partir dos 14 anos – uma vez que o corpo das crianças começam a mostrar certo desenvolvimento a partir dos 12, 13 anos -, e é justamente nessa faixa etária que os jovens são mais retraídos com seus familiares, evitam, a qualquer custo, alguma conversa que eles considerem constrangedoras.

Algo que deve ser mostrado também, é que até pouco tempo, os próprios responsáveis por esses adolescentes também não demonstravam interesse para conversar sobre relações sexuais, principalmente para com as meninas – que também eram tratadas como “objetos” para futuros casamentos a serem propostos para o bem de suas famílias.

Em contrapartida para os meninos, era algo a ser mostrado com louvor, principalmente diante dos homens da família. E acredite você, ou não, em tempos atuais, ainda são coisas que acontecem dentro das casas. Em pleno século XXI. Algo que deveria ter sido deixado para trás, ainda é mantido, mesmo que digam que não, a “proteção” da pureza das moças e a “vanglorização” dos rapazes.

E os métodos para prevenção de doenças e gravidez?

sexo na adolescência

Entre os métodos contraceptivos mais conhecidos quando se trata de sexo na adolescência são os preservativos – tanto feminino quanto o masculino – previne que haja o contágio de doenças sexualmente transmissíveis como a AIDS, por exemplo, que inúmeras pessoas famosas – Freddy Mercury, Charlie Sheen, Magic Johnson e Anthony Perkins –  já foram vítimas.

Sem falar na prevenção de uma gravidez precoce, uma vez que adolescentes não estão preparados para a maternidade e paternidade, mesmo com o apoio familiar. O anticoncepcional ou “pílula do dia seguinte” também já são métodos muito utilizados por esses jovens, entretanto, existem cuidados a serem exigidos ao ingerirem tais “remédios” e devem ser sempre receitados por médicos, em suma preferência, ginecologistas, que poderão prestar mais auxílio do que um farmacêutico.

Além dos métodos contraceptivos para evitar gravidez e doenças, os adolescentes também podem realizar exames para evitar essas doenças sexualmente transmissíveis. Tais exames que podem ser feitos a partir dos 13 anos e pode ser realizado até os 64. Existem também vacinas que são consideradas seguras e servem, assim como as camisinhas, para prevenir hepatite B e infecções pelo vírus HPV.  Ambas devem ser aplicadas preferencialmente antes do início da atividade sexual, mas podem ser utilizadas depois.

É visto que tratar de sexo na adolescência é um tema um tanto quanto difícil de ser conversado, mas não impossível. Há sempre caminhos possíveis a se tomar para tratar desse assunto com os adolescentes, mas é válido ressaltar que não se deve evitar tal “bate-papo” com seus filhos, pois assim, eles estarão mais preparados ou “avisados” sobre certos riscos e consequências sobre a vida sexual.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui